sexta-feira, 1 de junho de 2012

O TÁLAMO E O OLHO DE HORUS

É quase impossível para um neurocientista, especialmente para os ludocientistas, não relacionar a anatomia das estruturas límbicas, em seu corte sagital, com o símbolo egípcio chamado O Olho de Hórus. Há muitas relações estabelecidas entre o Olho de Hórus e as estruturas encefálicas. Mas quem foi Hórus?
Segundo a mitologia egípcia, Hórus, filho dos irmãos Ísis e Osíris, é o deus dos céus. Reza a lenda que Hórus foi concebido por Isis quando Osíris já estava morto e que a fecundação ocorreu quando Isis, na forma de um pássaro, pousou sobre Osíris já mumificado. A figura mitológica de Hórus é representada com cabeça de falcão, uma ave que voa alto e tem ótima visão. Seus olhos representavam o Sol e a Lua.
Diz a lenda que durante uma luta com seu tio Seth, deus do caos, este arrancou o olho esquerdo de Hórus, o qual foi substituído por um amuleto. O olho de Hórus, no entanto, foi perdido durante outra batalha contra Seth, da qual Hórus saiu vencedor, e por isso o amuleto simboliza o bem que venceu o mal, tornando-se um talismã que representa a luz, a sorte, a prosperidade, a saúde e a força.  Após vários combates finalmente Hórus venceu Seth.
Os olhos simbolizam a dualidade. Dizem os egípcios que o olho esquerdo é solar, sensível ao negativo e olho direito é lunar, sensível ao positivo e afirmativo. As informações que chegam pelos olhos, cruzam no cérebro para produzir a imagem mental correta do espaço. Deste modo, os olhos representam a experimentação da consciência num universo repleto de contrastes, uma experiência que nos permite encontrar a verdade por comparação entre as partes opostas.

Os dois Olhos de Hórus simbolizam também a dualidade entre masculino e feminino, emoção e intelecto, hemisfério cerebral direito e esquerdo. Cada hemisfério do cérebro é dominante para alguns comportamentos. O olho esquerdo ferido de Hórus é o olho da Lua, representa o feminino e toda informação controlada pelo hemisfério direito do cérebro. O lado esquerdo do cérebro é mais especializado em habilidades como lógica e matemática, sendo por isso relacionado às habilidades mais frequentemente ditas masculinas. Por esta razão, o olho direito de Hórus é o olho do Sol, o olho relacionado ao elemento masculino.
Devido à semelhança do corte sagital das estruturas límbicas (corpo caloso, tálamo e hipotálamo) com a representação do Olho de Hórus, associada à semântica da expressão “o olho que tudo vê”, algumas crenças acreditam ser as estruturas límbicas uma representação deste hieróglifo.
O corpo caloso é fundamental nessa representação, uma vez que é ele a estrutura que integra o hemisfério cerebral direito e esquerdo, e que faz a interface entre as muitas dualidades que dividem o ser humano, entre elas o corpo e a alma.
Um documentário bem interessante para conhecer mais sobre a mitologia egípcia é a série “O olho de Hórus”, que está disponível no youtube. Deixo a seguir o link do primeiro episódio. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário